Oração de Papel

Padrão


Num papel qualquer deixei as palavras para trás e fui passear…

Na primeira esquina, deixei meu coração amarrado num poste qualquer…

Se me seguires decida pegá-lo logo ou deixe-o ser encontrado por aí… livre… flutuando pelo ar.

Gosto da brisa que refresca, gosto do fogo que incendeia…

Da luz que clareia… do menino que semeia…

E o que semeias neste peito?

Neste peito tão ressacado como o chão do nordeste…

Tão rarefeito como o ar nas mais altas montanhas…

Tão dolorido quanto o mertiolate de quando éramos crianças…

Das dores, das saudades, da falta de ar, da falta de amar…
Mas, se quiser amarrar meu coração ao seu,

Desapega dessa vida corrida, acalma-te junto ao meu peito…

Entrega-te para a chuva, dança comigo… Deixa te guiar ao infinito.

Joga-me teus beijos, teus olhares, teus desejos…

Finda vida nossa, nessa terra encharcada de gracejos…

Nem luzes, nem cruzes, nem percevejos… Amém.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s